quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Sol de Inverno

A segunda quinzena de Janeiro prosseguiu com as habituais passeatas pela Serra de Sintra. A 22 levámos de novo o Afonso Lucas a percorrer os 35Kms da ordem pelos trilhos da nossa serra, na companhia do Rúben e de dois BTTretas (Sebastião e Nuno). Uma volta a um ritmo mais baixo mas agradável como de costume.
Dia 29 foi dia de maiores dificuldades, pelo menos para mim. Há muito tempo que não sentia o cansaço muscular que senti nesse dia. Deve ter sido do frio...
Na verdade a coisa não foi fácil. O Alexandre resolveu fazer o desvio para a serra no "Largo do Rato", nome que nunca ouvi falar (só em Lisboa), que fica logo a seguir ao Arco da Mentira, após Seteais. Cá para mim inventou o nome mas não faz mal. O tal desvio é uma subida interminável em alcatrão que liga a estrada de Monserrate à dos Capuchos e que termina no portão de acesso ao "single" que já foi maravilha e agora ficou sem vegetação. Continua a ser bom, mas já não é a mesma coisa. O túnel de árvores era outra loiça...

Após esse "single" lá percorremos os habituais caminhos até ao famoso parque de estacionamento dos Capuchos onde, como é hábito, se tirou a primeira foto do dia já na companhia do Fernando, que tinha acordado tarde mas ainda a tempo de se juntar ao pessoal a meio da serra. Como estava tudo "fresquinho da silva" optámos por subir meio Monge, desviando à direita em direcção ao parque de merendas perto da Peninha. Apesar de por vezes lá serem vistos os vampiros da Lua Vermelha, desta vez estava tudo sossegado e lá nos fizemos à espectacular descida conhecida por "Fofinha", "Senhor dos Anéis", "Bosque Encantado", etc. Sugiro a alguém conhecedor, a elaboração de um guia com os nomes e localizações dos diversos trilhos da serra de Sintra visto que o mesmo local pode ter várias denominações consoante a vontade de cada um... Após os degraus e raízes desta descida ao estilo Soft Downhill , virámos para a face oeste da serra a caminho das paisagens do Cabo da Roca e Guincho.

Mais uma foto de grupo com vista para o mar e a grande "trepação" até à zona do convento da Peninha pela terrível subida do "calhau solto" para a qual, pelo menos a mim, já faltava um pouco de pernas. Acabou por ser "um bocadinho a pé, um bocadinho andando" mas lá se atingiu o topo. Na foto acima vemos o Fernando a terminar este obstáculo em bom estilo, mas, como foi o último a subir, ninguém sabe se o cumpriu todo em cima da "burra"... Não se deve ter saído mal pois a seguir ainda queria ir mostrar o "Dragão" aos nossos convidados de Lisboa, um deles o meu primo Carlos, mas rapidamente o fizemos "meter a viola no saco". Um dia havemos de ir ao "Dragão", não o do Porto, mas sim o da serra de Sintra. Para além do "Dragão", uma outra subida famosa espera por nós, neste caso os "Gigarós", ali para os lados de Colares.
Por fim deu-se o regresso aos Capuchos e o regresso a Sintra pelos trilhos paralelos à estrada e, desta vez, apenas com alguns a optarem pela descida do "muro" até Seteais. Parece que ainda houve quem fosse comer travesseiros à Periquita mas não vi, pois já nos tínhamos separado em dois grupos.
Para terminar o mês, na noite fria de 31 de Janeiro, mais um nocturno pela serra, com a presença do "Bola de Berlim" José Santos, que há bastante tempo anda desaparecido dos domingos de pedalação.
Domingo, se o termómetro não descer abaixo dos 0ºc, há mais.


2 comentários:

Rui "K_cete" disse...

... boas pedaladas... qualquer dia também vou, é só as costas deixarem...

J.P. Gonçalves disse...

Costas? Quais costas? Nada que uma massagem Tailandesa não resolva...